quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Dois tempos

Toque feminino

Era daquelas meninas criadas por avó, cheia de não-me-toques.
Quando cresceu, ela finalmente se tocou.
Ainda bem.




Navalha na carne

Era um motorista barbeiro e nervoso.
Um dia, após mais uma navalhada no trânsito, envolveu-se em calorosa discussão.
Engraçado foi que quem puxou a navalha foi o motoqueiro.
A barbearia fechou por três dias em sinal de luto.

.

7 comentários:

Batom e poesias disse...

Gostei, gostei, gostei.
Bom humor e criatividade são mesmo os melhores dos talentos!

Beijocas
Rossana

Cris de Souza disse...

Literal-mente apurado espaço: lindo,leve,lúdico.

Obrigada pela visita, o trem é nosso!

Beijo, Maria.

Fernand's disse...

Ui! Calafrio na espinha.


Bjs, Maria!

CANTO GERAL DO BRASIL (e outros cantos) disse...

Maria Paula,
Aqui (e no Tertúlia) a poezia sempre hasteada nas alturas...

Abraço poético,
Pedro Ramúcio.

NDORETTO disse...

Adoro seus mini-contos! Sutilezas trágicas!

Aguardo você no Curta, depois da Marcia carneiro, ou seja, no sábado 2 de outubro; está ok pra você?

Bj
Neusa

Domingos Barroso disse...

Nuances que você capta.
Transforma em espirais
e vejo gestos,
imagens,
tudo em mínimo espaço
com euforia
docemente
mordaz.

Valeu,
Maria Paula.

Carinhoso abraço.

AC disse...

Foi um prazer descobrir este sítio, onde se diz muito em poucas palavras.

beijo :)