quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Triolé das ventoinhas*


Catavento, de Luciana Teruz ( 1961)

( com Aléxia Alvim )


A mulher é um catavento
Vai ao vento que soprar
Entre a força e o acalento
A mulher é um catavento
Desfigura seu intento
Conforme lhe interessar
A mulher é um catavento
Vai ao vento que soprar

Pela parte que lhe cabe
A mulher é um catavento
Do sufrágio, que desabe
Pela parte que lhe cabe
Em sutiãs, a luta sabe
Mayo gris, protesto bento
Pela parte que lhe cabe
A mulher é um catavento




* Intertextualidade ao poema "As ventoinhas", de Machado de Assis

4 comentários:

Lídia Borges disse...

Fantástico! Tive de procurar o "As Ventoinhas" de Machado de Assis que não conhecia.

Um sopro de boa leitura

Valeu a pena!

L.B.

Eu, ΞĐU disse...

Oi...
Muuito bom o seu blog, suas idéias e seu bom gosto. Parabéns pelo trabalho.
Estou te seguindo.
Beijos no coração,
EDU (http://edurjedu.blogspot.com)

Fernand's disse...

gira pra lá.
gira pra cá.
colorida.

a mulher é mesmo.


bjs, maria.

Talita Prates disse...

catavento é um negócio bem engenhoso!

eu acho... rs.

adorei o "Desfigura seu intento / Conforme lhe interessar".

(às vezes é "conforme a vida lhe exige...")

um beijo, queridíssima!

Talita