quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Impávido colosso


como se não bastasse

o pão dormido,
o beijo apressado,
o coito interrompido,
o ônibus lotado,
o hálito ardido,
o dinheiro contado,
o vizinho bandido,
a bancarrota do senado,
o emprego fudido,
o timão desclassificado


ver o gigante de retumbante brado,
- passado glorioso, garrido
em berço esplêndido, triste estado
à margem, plácido, adormecido -
é osso.


Última forma, idolatrado:
Sentido!
.

6 comentários:

Denise disse...

É é osso.
Fazia muito tempo que não via uma forma de repudio/lamento,tão magnifica.
Fez-me lembrar de um professor de sociologia lá nos tempos da faculdade (isso já faz MUITOS anos) que falava como Bilac porem num tom sarcastico e divertido,das mazelas do Brasil.

carinho
Denise

Lou Vilela disse...

Ao menos, originou poesia. rs
Pois é... osso e dos duros! Belo grito!

Bjs

nina rizzi disse...

não é fácil, cherry.
e quem fica c'os ossos somos nozes :s

sua poesia é foda, hein.
beijo.

Nydia Bonetti disse...

Sentido...
bjs.

ragi moana disse...

é vero.

Blog do Óbvio disse...

Maria Paula, sua inspiração é muito fértil e de uma ironia sensacional. Carinhoso beijo. Manoel.