quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

A mulher mineira



Duas Mulheres - do mineiro Inimá de Paula




Minas Gerais é plural, feminina
tem mulher furacão e desdobrável
tem vaca atolada, tem gente afável
Maria da Fé, Moema, Diamantina
Minas tem cara de bruxa aquilina
seu feitiço é fé, arte, tradição
mulher daqui não caça confusão
nem hasteia em qualquer pico bandeira
é chica, bárbara, beja a mineira
colosso pra ela é o mineirão



ser feia é desvio de rota em Minas
ai daquele que for besta e negar
e não é que Minas não tenha mar
o mar é que não dá conta das 'minas
pacatas, guerreiras, doces, salinas
mineira chora em chegada e partida
provocada, fica fula da vida
barroca, ela borda seu rococó:
não diz não pra não magoar, ô dó
não diz sim pra não ser oferecida



mineira exala doída saudade
na bateia ferve a verve em franqueza
boa de escuta, cama, banho e mesa
coração d'ouro, de ferro a vontade
discreta, só fala pelas metade
guarda dinheiro, segredo e plural
conjura sua ironia ancestral
na cama é devassa, mil pecadilhos
tem recatos, é mãe mesmo sem filhos
seus vales e montes, estrada real



com molejo farto atrai gulodice
no corpo, sustança; no olhar, merenda
beijo açucarado só de encomenda
pra mineirar, há que ter peraltice
em fogo brando coze a mineirice
suas receitas são rara poesia
ela espia : não desconfia nem fia
come olho de sogra, amor em pedaços
mineira carrega o mundo nos braços
tem fé na vida, que estranha mania


torce pro Cruzeiro, é fã do Atlético
é furna de graça, meiguice e humor
no barco do lar é vela e motor
sua dolência tem jeito poético
lógica em cascata, falar sintético
gema preciosa, ela sangra minério
mineira tem riso, siso e critério
pede com o olho, esconde a recusa
de truques brejeiros ela usa e abusa
não baixa a guarda, envolta em mistério



já revelo o que é que a mineira tem
tecer, altiva, sem pressa é um dom
em vez de "tudo bem?", diz "'cê tá bom?"
pro mineiro, liberdade é que é Bem
quae serae, uai, pra mineira tamen
ela transpira pecado e virtude
conhece a fonte eterna, a juventude
pra ela quem faz coisa errada apronta
muito é um tanto, sô, dimais da conta
enfim, ser mineira é questão de a(l)titude
.

intertexto com o cordel de Tadeu Martins "Ser Mineiro"

.

3 comentários:

Pablo Rocha disse...

Já passei por lá e apreciei seu talento!
Beijo!

Mirze Souza disse...

Vou lá!

Mas adorei o trocadilho, ou seria troca-dilma.

Beijos

Mirze

Suzana Marcia Braga disse...

oi maria paula, voce fez falta no nosso encontro de hoje. Como voce sabe fazer da palavra um brinquedo! parabens, suzana