sábado, 23 de outubro de 2010

A quoi ça sert l'amour?*





( mini máximas desiludidas)


I - as vivências de amor
daquele sujeito
dariam dois versos
quando muito, poemeto

.

II - pra tudo é preciso limite:
beijo demais dá queilite
engolir sapo, gastrite
sexo sem freio, uretrite
paixão demais é dinamite
amor pra sempre, só  Afrodite

.

III - Prometo que vou amá-la
como Jung amou a  mandala:
certo dia bateu o tédio
e ele a deixou...
 que remédio


.

 
V - quando penso
 "agora sai"
o amor esvai
e o hai
                   k
                        a
.                            i



.


* Pra que serve o amor? , título de uma canção de Edith Piaf.

 No link, numa animação adorável de Louis Clichy, dueto poderoso da canção por Edith Piaf e Theo Sarapo 



.

8 comentários:

Zélia Guardiano disse...

Maria Paula
Você é imbatível!
Isso, para dizer pouco.
Grande abraço

Assis Freitas disse...

implacáveis as mini máximas, o amor dá sempre o mote e o bote,


abraço

AC disse...

Muito bom, Maria Paula!
A agilidade da sua escrita era campeã olímpica em qualquer exercício de ginástica artística. Parabéns!

Beijo :)

Lara Amaral disse...

Imbatível mesmo, bom demais vir aqui!

Beijo.

Mirze Souza disse...

Fantástico!

Estou com Assis!

É sempre o "amor" o culpado. Não fosse ele, haveria paz.

Beijos

Mirze

mdsol disse...

:))

Pablo Rocha disse...

Sensacional.. Adorei o tom dos seus textos..
parabéns!

Melinda Bauer disse...

O criador não decifra a criatura e ela o devora...
O amor é assim impermanente, incoerente e imprescindível...
muito bom.....
superbeijooo